Browsing Category

Racismo

Aline Amizade Amor Ana Ativismo Azamigue Bruno Cultura POP Dia a dia Espaço do leitor Gabe Joana Jorge Juca Lino Machismo Mari Pajubá Pedro Preconceito Racismo Relacionamento Sexo Tomas

FDS- a primeira graphic novel do Torta de Climão


Climonas, querem ler a graphic novel do Torta de Climão online? Disponibilizei as primeiras 5 páginas no site Tapastic. “FDS- Torta de Climão” é a primeira graphic novel do Torta e tem mais de 80 páginas numa única história, contando como é o dia-a-dia de todos os personagens durante um fim de semana. Climão definitivamente não vai faltar. Pra continuar publicando as próximas página, preciso da ajuda de vocês! Ao atingirmos $50 de apoios mensais no meu Patreon, publicarei mais 5 páginas! Ajude a apoie com apenas $1 iniciativas culturais LGBTQ. Se nós, a comunidade LGBTQ não nos apoiarmos, quem vai? Só ajudando uns aos outros conseguiremos ter representatividade e visibilidade em espaços na mídia, cultura e sociedade! Leia as 5 primeiras páginas e apóie no patreon para que mais páginas sejam publicadas. Atualmente o apoio está em $13. Falta pouco para $50!


Leia aqui: https://tapas.io/series/FDS
Apoie aqui: https://www.patreon.com/krisbarz

Ativismo Cultura POP Espaço do leitor Machismo Pajubá Preconceito Racismo Realidade Sexo Vídeo

Saiba como o Torta de Climão surgiu

A 2a temporada do Torta de Climão no Youtube voltou e já tem 3 vídeos novos lá! www.youtube.com/c/TortadeClimao

Um deles é um curta mostrando como foi todo o processo de criação do Torta de Climão, desde 2012. A ideia inicial, o conteúdo, como é criar personagens LGBTs para os meus quadrinhos, lidar com críticas, contornar estereótipos e abordar assuntos à cultura e à comunidade LGBT brasileira.


.

.

Obrigado a todo mundo que apoiou desde o comecinho, agora vocês podem ver como foi todo o processo, as dificuldades e desafios desse projeto que eu amo tanto. Assista abaixo e inscreva-se no canal!

.

Artigos Ativismo Machismo Opinião Preconceito Racismo Realidade

Heteronormatividade, cultura, preconceito e mudança

Estou criando minhas tirinhas no café onde vou quase todas as manhãs. Uma mulher se aproxima e pergunta se pode pegar a cadeira extra da minha mesa pra levar para a dela. Prontamente, digo que sim. Depois de um tempo ela está indo embora, volta com a cadeira, me agradece e diz “estou trazendo de volta caso alguma menina bonita queira sentar do seu lado”. Eu sorrio e digo “na verdade um garoto seria bom”. Ela fica sem jeito, pede desculpas e diz que não deveria deduzir esse tipo de coisa. Eu falo que tudo bem e nós temos esse momento constrangedor de 5 segundos. Ninguém se ofendeu, ela tinha a melhor das intenções. Ela vai embora e eu volto ao meu trabalho.

O que aconteceu naquele momento é chamado de heteronormatividade. É a suposição de que a norma para a sexualidade das pessoas é heterossexual. Talvez isso aconteça porque estatisticamente a maioria das pessoas é heterossexual, mas há também um elemento de preconceito envolvido porque ser homossexual ainda é percebido como fora do padrão.

A heteronormatividade acontece em situações, níveis e de maneiras diferentes e, comumente, acha-se que ela é inofensiva. Em nossa sociedade, muitas vezes nossa sexualidade (e sua heterossexualidade compulsória) é decidida para nós antes mesmo de começarmos a desenvolvê-la. Isso acontece quando você diz que seu filho de 4 anos vai namorar ou casar com a filha do vizinho. Você faria tal suposição se o vizinho também tivesse um menino? Normas em nossa sociedade são comuns, mas isso não significa que não devamos tentar parar de reproduzir algumas delas.

Diferentes normas relacionadas a gênero e à sexualidade também se interlaçam. Da mesma forma, supõe-se que homens tradicionalmente masculinos não são gays, que mulheres que não se comportam de uma maneira tradicionalmente feminina são lésbicas ou que todas as mulheres sonham em casar, engravidar e ter filhos.

Todos esses pressupostos baseados em normas fazem parte de nossa cultura, sim. Todos nós pressupomos essas coisas em escalas diferentes porque nós crescemos com essa cultura. É um comportamento aprendido socialmente. Quando pressupomos baseados em uma norma, nem sempre se é intencionalmente preconceituoso, lgbtfóbico, machista e racista (certamente há exceções, mas eu não estou falando desse tipo de pessoa) e é aqui que a mudança tem que acontecer.

Não gostamos de admitir que temos comportamento preconceituoso ou privilégios e muitas vezes ficamos na defensiva quando somos informados disso. É importante não levar pro lado pessoal quando sua atenção é chamada, especialmente se você já se considera uma pessoa esclarecida e progressista. Você não precisa bater em um homossexual para ter comportamento homofóbico, assim como não precisa estuprar uma mulher para ser considerado machista ou querer a volta da escravidão para ser considerado racista. Esses preconceitos acontecem também de forma sutil, não apenas em seus extremos e é preciso tentar percebê-los.

Se você é um homem, as chances de ter comportamento machista são muito altas, mesmo se você for pró-feminismo. O mesmo vale para a sexualidade e raça. É a nossa cultura. Mas o que muitos não estão dispostos a aceitar é que a cultura é fluida e sempre foi. A cultura não constrói pessoas, as pessoas constroem a cultura (como disse de forma certeira Chimamanda Ngozi Adichie).

Mudar o comportamento nestas pequenas coisas exige esforço e é muito fácil ficar com raiva se você está do lado mais fraco, fora da norma. Canalizar a raiva é difícil, especialmente por conta daqueles que são intencionalmente preconceituosos, mas a empatia tem que vir de ambos os lados, porque algumas pessoas realmente não o fazem por mal. Se eles estiverem abertos o suficiente para te ouvir e refletir, vale a pena apontar um mau comportamento usando a sua empatia. Se você está num patamar de desconstrução que te permite perceber os preconceitos presentes na cultura, lembre-se de quando você ainda replicava certas suposições e preconceitos. Tendo em mente a cultura na qual a pessoa está inserida e tendo um sorriso em seu rosto, lembre-se que todos nós estamos inseridos nela de alguma forma.

A mudança acontece depois disso.

 

 

***
Quer ajudar o Torta a continuar criando tirinhas? Você pode ser o patrono do Torta de Climão, ler as tirinhas antes que todo mundo e  ter recompensas de acordo com a sua ajuda, inclusive sugerir temas para as próximas tirinhas! Apóie no nosso site do Patreon!

.

Artigos Opinião Preconceito Racismo Realidade

PEPSI e o mundo chato

A Pepsi lançou na semana passada o seu novo comercial, com a volta dos limoezinhos das propagandas de alguns anos atrás da marca. O tema foi como o mundo tá chato e ninguém pode falar mais nada que todo mundo se ofende. O vídeo está no youtube caso queira assistir.

É muito chato mesmo ter que pensar antes de falar, Pepsi, mas a questão não é ter que pensar se alguém vai se ofender com o que você fala, mas pensar se você vai ofender alguém quando falar. O mundo não ficou chato ou mais sensível, mas quem antes ficava calado aprendeu que só se consegue mudar o mundo exigindo respeito. A ofensa sempre esteve lá.
Trabalhar a empatia não é fácil, pois exige um esforço que pouca gente é ensinada: pensar no próximo. Mas a gente promete que vale a pena.

Kris Barz