Browsing Category

Opinião

Artigos Ativismo Cultura POP Opinião Preconceito Realidade

Johnny Hooker, Ney Matogrosso e as nuances

O pior problema desse auê Johnny Hooker X Ney Matogrosso não é necessariamente nada do que ambos declararam. É isso virar, assim como quase tudo na internet, um FlaxFlu (ou seria Katy/Tay?) sem fim, onde cada um escolhe um lado e execra o outro, ambos dizendo que a carreira do artista que “falou merda” acabou ou que não tem valor algum, assim como sua respectiva importância no cenário de luta LGBTQ. Ambos tem seus motivos para terem falado o que falaram e mesmo sendo de gerações diferentes, fazem parte de uma luta que pode ter mudado ao longo das décadas, mas que não deveria estar fragmentada.

Ney pode não saber o que um “não sou gay, sou ser humano” pode representar em um momento em que a representação com todas as letras e acrônimos é necessária? Talvez, mas isso não apaga a sua importância na quebra de barreiras de gênero através da suas performances. Podemos não concordar com o que ele falou, mas não exigir que ele exerça um papel de uma forma que ele não quer. Ele vai exercer o que ele quiser e tudo bem! É diferente de se ele tivesse falado que a militância é uma bosta e o ativismo não serve pra nada. No entanto, num momento em que temos LGBTQs de gênero fluido ou agêneros se empoderando para que vivam suas existências não artísticas de forma transgressora, a militância formal é importante, pois legitima suas vivências, sexualidades e expressões de gênero fora dos palcos, das Avenidas Paulistas e dos Leblons.

Johnny Hooker foi reativo e errou a mão ao fazer textão criticando Ney? Ao meu ver, sim, mas não errou rude. Em tempos de empoderamento e novas ondas conservadoras, reagir rápido é necessário. Mas o perigo de ser de uma geração que sofre uma influência da cultura de internet muito grande é justamente ter que expôr uma opinião na mesma velocidade que um apertar de “like” ou “angry”. Corre-se o risco de ser um pouco injusto também. É difícil entender quem “fala merda” quando a gente sente que aquilo nos atinge em cheio, mas militância às vezes é muito mais ouvir do que falar. Às vezes é saber ouvir do outro algo que a gente não concorda. Mas a geração militante infamemente tida como “lacradora/pisamenos” se empodera também na base da reação, pois parte da sociedade tem se mostrado extremamente conservadora, essa talvez também reativa à nova liberdade sexual e empoderamento de minorias sexuais e de gênero com muitos direitos ganhos em lei na última década.

O que não dá pra continuar é esse ame ou odeie internético pois eventualmente ele também se expressa fora do computador, dentro de grupos que deveriam estar especialmente unidos. Uma coisa é ser LGBTQ militante e fazer oposição ferrenha a Bolsomitos, mas gente, não elejamos inimigos públicos número 1 dentro da própria comunidade.

Esse “textão” pode estar muito em cima do muro pra você que tomou partido. Muitas vezes tomar partido é não apenas importante como necessário. Mas em tempos de binarismo de opinião, tentar enxergar nuances no lugar de absolutismos e diversidades ao invés de divergências é crucial quando a discussão está acontecendo dentro da própria comunidade.

 

Kris Barz Mendonça

Twitter | Instagram | Tumblr | Tapastic

Artigos Ativismo Opinião Preconceito Realidade

Obrigado, Índio.

indio

Gostaria muito que meu último desenho do ano não fosse por um motivo tão triste. Mais uma pessoa se torna estatística do preconceito contra transexuais e LGBTs em geral. Luis Carlos Ruas pediu calma e protestou contra a perseguição que dois homens faziam contra uma travesti em uma estação de metrô em São Paulo. Por isso, mesmo não sendo parte da comunidade LGBT, teve a vida tirada a chutes e socos. A intolerância, homolesbobitransfobia nesse caso, não faz só vítimas gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. Alguém se lembra do pai que teve a orelha cortada por ser confundido com homossexual por estar abraçando o filho? Ou do homem heterossexual que foi espancado por usar camisa rosa? O preconceito contra minorias sexuais/afetivas atinge TODOS e TODAS, por isso é importante não calar-se por medo ao ver algum ato de violência. Combater a homolesbobitransfobia é um dever de toda a sociedade.
A conivência e a omissão agrava qualquer tipo de preconceito. Obrigado, Luis Carlos Ruas, por ser um ser humano digno como todos deveriam ser.

Use a imagem abaixo no seu perfil das redes sociais em apoio à família e agradecimento a Luis Carlos Ruas. Clique na imagem para abrir e salvar em tamanho maior.

indioperfil

***

Quer ajudar o Torta a continuar criando tirinhas? Você pode ser o patrono do Torta de Climão, ler as tirinhas antes que todo mundo e  ter recompensas de acordo com a sua ajuda, inclusive sugerir temas para as próximas tirinhas! Apóie no nosso site do Patreon!

.

Artigos Ativismo Machismo Opinião Preconceito Racismo Realidade

Heteronormatividade, cultura, preconceito e mudança

Estou criando minhas tirinhas no café onde vou quase todas as manhãs. Uma mulher se aproxima e pergunta se pode pegar a cadeira extra da minha mesa pra levar para a dela. Prontamente, digo que sim. Depois de um tempo ela está indo embora, volta com a cadeira, me agradece e diz “estou trazendo de volta caso alguma menina bonita queira sentar do seu lado”. Eu sorrio e digo “na verdade um garoto seria bom”. Ela fica sem jeito, pede desculpas e diz que não deveria deduzir esse tipo de coisa. Eu falo que tudo bem e nós temos esse momento constrangedor de 5 segundos. Ninguém se ofendeu, ela tinha a melhor das intenções. Ela vai embora e eu volto ao meu trabalho.

O que aconteceu naquele momento é chamado de heteronormatividade. É a suposição de que a norma para a sexualidade das pessoas é heterossexual. Talvez isso aconteça porque estatisticamente a maioria das pessoas é heterossexual, mas há também um elemento de preconceito envolvido porque ser homossexual ainda é percebido como fora do padrão.

A heteronormatividade acontece em situações, níveis e de maneiras diferentes e, comumente, acha-se que ela é inofensiva. Em nossa sociedade, muitas vezes nossa sexualidade (e sua heterossexualidade compulsória) é decidida para nós antes mesmo de começarmos a desenvolvê-la. Isso acontece quando você diz que seu filho de 4 anos vai namorar ou casar com a filha do vizinho. Você faria tal suposição se o vizinho também tivesse um menino? Normas em nossa sociedade são comuns, mas isso não significa que não devamos tentar parar de reproduzir algumas delas.

Diferentes normas relacionadas a gênero e à sexualidade também se interlaçam. Da mesma forma, supõe-se que homens tradicionalmente masculinos não são gays, que mulheres que não se comportam de uma maneira tradicionalmente feminina são lésbicas ou que todas as mulheres sonham em casar, engravidar e ter filhos.

Todos esses pressupostos baseados em normas fazem parte de nossa cultura, sim. Todos nós pressupomos essas coisas em escalas diferentes porque nós crescemos com essa cultura. É um comportamento aprendido socialmente. Quando pressupomos baseados em uma norma, nem sempre se é intencionalmente preconceituoso, lgbtfóbico, machista e racista (certamente há exceções, mas eu não estou falando desse tipo de pessoa) e é aqui que a mudança tem que acontecer.

Não gostamos de admitir que temos comportamento preconceituoso ou privilégios e muitas vezes ficamos na defensiva quando somos informados disso. É importante não levar pro lado pessoal quando sua atenção é chamada, especialmente se você já se considera uma pessoa esclarecida e progressista. Você não precisa bater em um homossexual para ter comportamento homofóbico, assim como não precisa estuprar uma mulher para ser considerado machista ou querer a volta da escravidão para ser considerado racista. Esses preconceitos acontecem também de forma sutil, não apenas em seus extremos e é preciso tentar percebê-los.

Se você é um homem, as chances de ter comportamento machista são muito altas, mesmo se você for pró-feminismo. O mesmo vale para a sexualidade e raça. É a nossa cultura. Mas o que muitos não estão dispostos a aceitar é que a cultura é fluida e sempre foi. A cultura não constrói pessoas, as pessoas constroem a cultura (como disse de forma certeira Chimamanda Ngozi Adichie).

Mudar o comportamento nestas pequenas coisas exige esforço e é muito fácil ficar com raiva se você está do lado mais fraco, fora da norma. Canalizar a raiva é difícil, especialmente por conta daqueles que são intencionalmente preconceituosos, mas a empatia tem que vir de ambos os lados, porque algumas pessoas realmente não o fazem por mal. Se eles estiverem abertos o suficiente para te ouvir e refletir, vale a pena apontar um mau comportamento usando a sua empatia. Se você está num patamar de desconstrução que te permite perceber os preconceitos presentes na cultura, lembre-se de quando você ainda replicava certas suposições e preconceitos. Tendo em mente a cultura na qual a pessoa está inserida e tendo um sorriso em seu rosto, lembre-se que todos nós estamos inseridos nela de alguma forma.

A mudança acontece depois disso.

 

 

***
Quer ajudar o Torta a continuar criando tirinhas? Você pode ser o patrono do Torta de Climão, ler as tirinhas antes que todo mundo e  ter recompensas de acordo com a sua ajuda, inclusive sugerir temas para as próximas tirinhas! Apóie no nosso site do Patreon!

.

Artigos Opinião Preconceito Racismo Realidade

PEPSI e o mundo chato

A Pepsi lançou na semana passada o seu novo comercial, com a volta dos limoezinhos das propagandas de alguns anos atrás da marca. O tema foi como o mundo tá chato e ninguém pode falar mais nada que todo mundo se ofende. O vídeo está no youtube caso queira assistir.

É muito chato mesmo ter que pensar antes de falar, Pepsi, mas a questão não é ter que pensar se alguém vai se ofender com o que você fala, mas pensar se você vai ofender alguém quando falar. O mundo não ficou chato ou mais sensível, mas quem antes ficava calado aprendeu que só se consegue mudar o mundo exigindo respeito. A ofensa sempre esteve lá.
Trabalhar a empatia não é fácil, pois exige um esforço que pouca gente é ensinada: pensar no próximo. Mas a gente promete que vale a pena.

Kris Barz